Como o próprio nome diz, microcrédito é um recurso financeiro pequeno destinado para quem quer abrir ou já possui um micro ou pequeno empreendimento. Existe microcrédito de todos os tipos, com valores, número de parcelas e taxas de juros muito variáveis! E isso, além da burocracia, pode dar um nó na cabeça quando precisamos de financiamento.

Por isso, juntamos as principais dúvidas e reunimos várias dicas para saber mais sobre como acessar microcrédito!

#Qual o valor que posso emprestar?

  • É bem variável, pode iniciar com R$100 e chegar até R$15.000;
  • Geralmente são concedidos valores menores para investimento em Capital de Giro e maiores para investimentos com Infraestrutura (como compra de maquinários e reformas). Por isso, é importante saber qual é a sua necessidade antes de pedir o crédito;
  • O valor também pode variar se é o primeiro empréstimo que está sendo adquirido com aquele banco ou instituição. Pois, após pagar o primeiro empréstimo, você cria uma relação de confiança com a instituição conseguindo acessar valores maiores no futuro.

#Quais são as melhores organizações para microcrédito?

Tudo vai depender do seu objetivo e da sua realidade, mas aqui vão alguns pitacos que podem te ajudar:

  • As instituições financeiras regularizadas pelo Banco Central podem ser bancos privados, bancos públicos, organizações sociais ou cooperativas de microcrédito.
  • Muitas vezes os bancos públicos possuem as menores taxas de juros e condições de pagamentos para o micro e pequeno empreendedores com faturamento de até 120 mil reais, pois, são subsidiados pelo Governo Federal por meio do Programa Nacional de Microcrédito intitulado Crescer.
  • Além dos bancos públicos, algumas organizações sociais e cooperativas de microcrédito também são filiadas a este Programa. Para saber mais sobre as organizações filiadas, acesse o Portal do Ministério do trabalho: www.trabalho.gov.br/.

Clique aqui e irá abrir uma página, com muitas opções, clique em “Instituições de Microcrédito Produtivo Orientado”. Assim, poderá acessar uma listagem de todas as organizações que possuem parceria com o Crescer. Nela, você pode filtrar por Estado e escolher a melhor opção de acordo com as sua realidade.

  • Você também pode encontrar uma organização de microcrédito acessando o Portal do Abcred (Associação Brasileira de Entidades Operadoras de Microcrédito e Micro finanças): abcred.org.br.

Clique aqui e veja todas as ONGs que são parceiras da Abcred.

#Em quantas parcelas posso pagar?

  • A quantidade de parcelas definidas vai variar segundo o banco ou instituição de microcrédito. Existem alguns que tem como limite de 12, 18, 24 ou chegam até 36 parcelas;
  • Também é variável caso você já tenha o seu empreendimento formalizado ou não, ou seja, se possui um CNPJ. Algumas instituições disponibilizam parcelas maiores para quem é formalizado;
  • As parcelas também variam se o crédito for usado para o capital de giro ou infraestrutura, e neste caso normalmente o limite das parcelas é menor para o capital de giro.

#Preciso ter conta no banco?

  • Normalmente os bancos solicitam que se tenha conta no próprio banco que está concedendo o crédito por algum tempo, antes de conceder o crédito, de 3 a 6 meses, pois, podem debitar as parcelas automaticamente como uma forma de segurança;
  • Já as organizações de microcrédito como ONGs e cooperativas, trabalham com pagamento por boleto não necessitando ter conta bancária;

#Quais documentos que vou precisar?

  • Essa informação irá depender de cada banco ou instituição, variando também para o caso de você ser ou não formalizado. Veja alguns documentos que podem ser solicitados:

CPF, RG, Comprovante de residência, se for ambulante podem pedir o PPU, se for do ramo de alimentação podem pedir o Alvará de funcionamento, se for formalizado o CNPJ.

#Quais as taxas de juros e outras taxas que terei que pagar?

  • As taxas de juros variam muito, as menores taxas são de 0,4% ao mês e são encontradas nos bancos que fazem parte do Programa Crescer. Porém taxas de juros podem subir até 7%!
  • Também existe uma taxa cobrada chamada TAC (Taxa de Abertura de Crédito), e também são menores quando possuem parceria com o Programa Crescer. Normalmente são 1% do valor total do empréstimo e são distribuídas/divididas nas parcelas. Para você ter uma ideia da diferença, a maioria dos bancos privados cobram 3% de TAC.
  • Fique atento e pergunte em cada banco ou instituição, que outras taxas são cobradas, pois, é muito variável e pode acabar fazendo bastante diferença no valor total que terá que pagar!

 

Quer saber mais? Preparamos uma videoaula para explicar o que o seu negócio precisa para acessar microcrédito e como você pode escolher a instituição financeira que mais responde às suas necessidades! 

Também, não deixe de baixar (no botão lá embaixo), imprimir e preencher nossa cartilha sobre Como conseguir um microcrédito para o seu negócio.

Vamos lá?

Temos algumas dicas finais que poderão te ajudar:

Dica #1 | Sempre pesquise e atualize os dados que citamos, pois, alguns deles podem variar conforme a mudança de políticas de cada instituição. Portanto, mantenha-se informado e não deixe de tirar todas as suas dúvidas antes de optar por um microcrédito.

Dica #2 | Cada empreendedor tem uma realidade e uma necessidade diferente, escolha a instituição que melhor se encaixe ao seu perfil. Às vezes um banco pode ter juros menores, mas não aceita que seu CPF tenha alguma inadimplência, e a opção por pagar um juro maior pode ser a melhor para você.

Dica #3 | Caso você estiver com o nome como inadimplente, verifique qual é esta pendência que já possui, tente resolvê-la antes de adquirir um crédito.

Dica #4 | Verifique com a instituição se eles possuem o microcrédito orientado, ou seja, se ela vai até o seu negócio conhecer sua realidade e pensar junto com você a melhor forma e valor do microcrédito. As vezes vale à pena pagar um pouquinho mais de juros, mas ter uma orientação melhor, pois isso garante que suas chances de devolução/pagamento das parcelas aumentem.

Dica #5 | Verifique se o prazo que a instituição te oferece é suficiente para você cumprir seus objetivos. Não necessariamente prazos ou carências maiores são melhores, pois, mais tempo pode significar mais juros. Lembre-se: o prazo deve ser adequado para você investir, obter o retorno e poder pagar as parcelas. Não mais do que isso!