Com a pandemia e consequentemente a baixa nas vendas dos negócios, muitos microempreendedores estão preocupados em como conseguir pagar suas contas, tanto de casa, quanto do seu negócio, incluindo o pagamento de seus funcionários. 

Nesse contexto a busca por crédito ou financiamentos têm aumentado, e além de algumas opções já existentes no mercado, outras iniciativas estão surgindo, justamente para apoiar os pequenos negócios nesse momento de crise. Por isso reunimos aqui dicas  de como buscar esse crédito. Elas podem ser uma opção para minimizar o impacto no seu orçamento, porém exige de você atenção e planejamento. Confira abaixo e veja qual é a melhor opção para você e seu negócio!

#1 Coloque tudo na ponta do lápis

Sabemos que é um momento delicado, mas você não pode ceder a ansiedade. Antes de procurar uma linha de crédito, é preciso analisar se você realmente precisa. 

Anote seu fluxo de caixa, se possui alguma reserva, e quais são as despesas que terá no próximo mês. Caso já tenha feito isso, também tente negociar, reduzir custos e buscar alternativas e parcerias para que consiga manter um faturamento próximo do que já possuía. Essa reflexão é importante para não correr o risco de aliviar o caixa da sua empresa agora, mas daqui alguns meses ter um problema ainda maior por conta das dívidas que contraiu agora. Sem contar que pode trazer ideias de uma nova forma de conduzir seu negócio. Se você tem recursos em caixa para honrar seus compromissos nos próximos meses, não precisa recorrer agora a um empréstimo ou financiamento pensando no futuro incerto.

#2 Prepare um modelo de negócio

Se você fez todas suas contas e percebeu que é necessário um empréstimo, é preciso fazer um modelo de negócios. Muitas instituições financeiras, até mesmo as de microcrédito, exigem a apresentação de um na hora de liberar crédito, então esteja preparado.

Caso você ainda não tenha, aqui no Tamo Junto, temos a vídeo aula Como desenhar um modelo de negócio – Canvas em que apresentamos um passo a pessoa para criar o seu de uma maneira simples e estratégica.

#3 Negociar com seu próprio banco ou cooperativa de crédito

É importante saber que a linha de crédito que é boa para seu colega, pode não ser para você. Mesmo que você tenha recebido uma indicação que pareça ser adequada, confira com o banco ou cooperativa de crédito que você já possui relacionamento, uma vez que costumam oferecer melhores opções de taxas e limites de crédito para seus clientes e também podem estar abertos a negociação. Mas lembre-se: não se prenda a taxas e condições que não são favoráveis ao seu negócio apenas porque já estar acostumado com o banco/cooperativa de crédito ou para manter a relação. 

#4 Analisar outras opções de crédito, principalmente do próprio governo

Se a opção que seu banco ou cooperativa de crédito oferecer, não for vantajosa, busque outras opções, com menores taxas e melhores condições, prevendo sempre a saúde financeira do seu negócio.

Uma opção é a linha de crédito emergencial oferecida pelo Governo Federal. O crédito será disponível para empresas com faturamento entre R$ 360 mil e R$ 10 milhões por ano. O dinheiro será exclusivo para folha de pagamento, de modo que não poderão demitir funcionários pelo período de dois meses. A empresa terá 6 meses de carência e 36 meses para pagar o empréstimo e com juros serão de 3,75% ao ano.

Outra opção, é o auxílio emergencial, que será de R$600,00 por três meses para MEIs, trabalhadores informais ou desempregados que tenham renda mensal de até meio salário mínimo por pessoa (R$ 522,50) ou três salários mínimos por família (R$ 3.135), em breve teremos um artigo completo sobre o assunto. Também existem instituições de microfinanças, que oferecem investimentos e empréstimos exclusivamente para donos de micro e pequenas empresas, independente de estarem negativados, como a Firgun, parceira da Aliança Empreendedora e do Tamo Junto. 

Para saber mais sobre o assunto, você pode clicar aqui para conhecer as linhas de créditos dos principais banco e aqui para mais informações crédito emergencial do Governo Federal.