Todo mundo que empreende está sendo afetado direta ou indiretamente nesse momento de crise é nessas horas que a importância de ter controle sobre seu dinheiro aparece. Por isso, vamos falar aqui sobre gestão financeira!

Para começar a gente não pode deixar de falar como é importante ter suas finanças em dia, principalmente para quem tem um negócio. Esse é um dos temas mais comentados e o que as pessoas menos fazem.

Se você já controlava suas finanças e conseguia ter uma reserva para emergências você já sai um pouco na frente, mas o fato é que essa não é a realidade da maioria dos brasileiros.  Criar o fundo emergencial é super importante, porque crises e imprevistos acontecem, a situação atual está nos mostrando e ensinando isso. Essa reserva, não é para capital de giro, nem compra de materiais, nem para tirar férias. É para imprevistos, emergências como a que estamos passando. Se você já tem esse fundo, ótimo! Se não tem, fica a dica, certo?

É muito importante que você saiba o que entra e o que sai de dinheiro. Quando se tem um negócio então, mais importante ainda, porque as chances do dinheiro do negócio se misturar com o dinheiro pessoal é gigantesca, já está tudo no mesmo bolso. Essa mistura é uma das principais causas da mortalidade de empresas. Essa separação e organização vão te ajudar a tomar decisões importantes neste momento de crise, então bora conferir as dicas para fazer essa gestão de uma maneira mais organizada?

#1 Faça seus controles financeiros

Separe o dinheiro pessoal do dinheiro do negócio e se você ainda não fez isso, faça já! Aproveite o momento de baixa de vendas e organize as finanças da casa e do negócio. Não fique parado. Você pode conferir o vídeo Como separar as finanças do negócio das finanças pessoais e até um curso rápido de Saúde Financeira no Tamo Junto para te apoiar a cuidar do dinheiro do seu negócio.

No final do artigo você pode baixar controles financeiros básicos para o seu negócio!

#2 Defina metas

Depois de fazer essa separação é muito importante que você defina uma meta de redução de custos e, considerando o mínimo que precisa para manter o negócio funcionando, defina uma meta de entrada. Vamos por partes:

Primeiro, verifique no que você pode economizar, como pode baixar um pouco o valor das suas contas, energia, transporte, água, etc. Em seguida, olhe para suas contas e veja com qual fornecedor pode negociar, seja ele um fornecedor de produtos/serviços, bancos ou até mesmo de cartão de crédito. Tente negociar prazos, parcelamentos, troca de serviços e não ignore as contas, busque entrar em contato com todos eles para verificar quais as possibilidades existem para te ajudar nesse período. Todos estão no mesmo barco, enxergue como uma rede de colaboração!
Aqui você deve por exemplo, negociar com fornecedores, para pagar depois ou pagar um pouco menos. Uma ideia que pode te ajudar é estabelecer parcerias e quem sabe, divulgar a marca do fornecedor e para escolher o que precisa fazer antes, priorize conversas com aqueles que têm maior impacto no fluxo de caixa do seu negócio.

O terceiro passo é conversar com seus funcionários para verificar as possibilidades de reduzir um pouco a jornada, dar férias, sugerimos que não deixe de pagá-los. Eles são caros de selecionar, de treinar e de demitir e são importantes para o negócio funcionar. Lembre-se a crise é passageira! E não esqueça de anotar todas as suas decisões e acordos, para lembrar o que combinou com cada um.

E por último, defina uma meta de entrada de dinheiro para correr atrás! Agora que você fez todos os cortes e sabe o mínimo necessário para que o seu negócio continue funcionando, consegue definir essa meta com mais tranquilidade e precisão. Pense em formas criativas de seguir com as vendas: adaptação de produtos/serviço, entregas, promoções, vendas antecipadas atendimento via whatsapp, etc.

Lembra do fundo de reserva? Calcule ela considerando aquele mínimo necessário para seu negócio funcionar – inclusive o seu pró-labore. Se não der para iniciar esse fundo agora, tudo bem, comece assim que as vendas voltarem, porque elas vão voltar. Sabemos que o desespero está batendo em muita gente, mas é importante manter a calma e não tomar atitudes por impulso.

#3 Acesso a crédito pode ser uma opção

Uma forma de você superar esse momento sem fechar é acessar o microcrédito! Todas as organizações que trabalham com microcrédito estão se debruçando para reduzir taxa de juros e criar planos específicos para esta crise.

Não espere entrar no vermelho para ir atrás. Faça a gestão financeira do seu negócio e veja quanto é necessário de crédito e qual a sua capacidade de pagamento para depois da crise, considerando que os negócios devem se normalizar em uma média de 4 meses (muitos bancos e microfinanceiras oferecem uma carência de mais de 3 meses para pagamento, chegando a até 36 meses).

Não saia no desespero para pegar dinheiro emprestado com qualquer um, aquele vizinho que empresta dinheiro, com agiota, com alguém da família.

A Aliança está criando um Fundo Nacional com a ABCRED – Associação Brasileira de Entidades Brasileiras de Microcrédito e Microfinanças, para apoiar os empreendedores em todo o Brasil. Quem vai operar o crédito serão as associadas da ABCRED. Fiquem atentos e seguindo a Aliança Empreendedora nas redes sociais, pois vem ajuda logo logo!

#4 Pesquise o site de financiamento coletivo ideal para o seu negócio

Sites de financiamento coletivos também são uma boa frente. São aqueles sites em que você cria uma campanha, pede uma doação, por exemplo um salário mínimo, e estabelece uma recompensa, que vai funcionar como um cardápio de produtos ou serviços que o empreendedor vai entregar para quem doou quando a campanha se encerrar. Alguns dos principais sites de financiamento coletivo são: Benfeitoria, Catarse e Kickante.

Na sua maioria, os governos reconhecem a importância do micro e pequeno empreendedor na economia do país e na geração de emprego e renda. Por exemplo, no Pará tem o Fundo Esperança que já abriu cadastro.

O Sebrae fez um levantamento de ações de combate à crise com foco em melhorar o acesso dos empreendedores ao crédito. Dá uma olhada, porque já tem muita coisa já rolando para te ajudar com isso.

Se você já tem uma dívida sendo paga em dia no Banco do Brasil, Caixa, Itaú Unibanco, Bradesco e Santander, não se preocupe, eles suspenderam o pagamento por 60 dias, sem cobrança de multas futuras, ou seja, você não vai ficar negativado nesse período! Entre em contato com seu banco, entenda como estão procedendo e solicite essa prorrogação.

Evite ao máximo usar cartão de crédito e cheque especial porque eles seguem com pagamento normal, com as taxas de juros altas.

#IMPORTANTE

Por causa do Coronavírus, o governo de cada cidade ou estado está tomando medidas diferentes. Fique antenado nos canais oficiais e siga as orientações.

  • Está sendo criado o projeto de lei para liberação de recurso, como uma bolsa mensal, para apoiar trabalhadores informais e autônomos, por 3 meses.
  • Estão adiando o recebimento de tributos como o Simples Nacional (por 6 meses), e o depósito do FGTS (por 3 meses). Pesquisem por detalhes se for uma opção para vocês.
  • As empresas também podem nesse momento: adiantar férias, dar férias coletivas, antecipar gozo dos feriados, e uso do Banco de horas
  • Se você está com o Corona e é MEI, você tem direito ao auxílio Doença! Tá vendo como é bom estar formalizado!

É muita informação, a gente sabe! Informe-se em sites oficiais, pesquise as melhores opções antes de tomar crédito. Fique antenado para as novas soluções que estão aparecendo.

Muito bem! Nada melhor do que ter as informações confiáveis para tomar as melhores decisões, né? Faça sua gestão financeira, analise para conseguir decidir o que é melhor para você e seu negócio neste momento! Fique atento que vem mais oportunidade por aí 😉