O Brasil é hoje o 7º país com o maior número de empreendedoras, algo que torna o empreendedorismo feminino tão forte por aqui.

E embora o número seja grande e isso signifique que mulheres estão ocupando posições de trabalho que antes não ocupavam, nem tudo são flores, pois elas também enfrentam diversos desafios nessa jornada.

Ao longo deste artigo, vamos nos aprofundar sobre os benefícios e desafios do empreendedorismo feminino, abordando sua importância, alguns dados, exemplos e com dicas de como começar a se tornar uma empreendedora.

Siga a leitura conosco!

O que é empreendedorismo feminino?

Empreendedorismo feminino é quando mulheres são protagonistas de um negócio ou projeto, sendo idealizadoras e tomando frente deles.

Desta forma, uma característica marcante do empreendedorismo feminino é ter mulheres criando e tomando decisões de um empreendimento e participando ativamente do mercado.

E isso é importante porque com mulheres abrindo seus negócios e gerenciando eles, nós temos micro e pequenas empresas que são mais diversas e inclusivas.

Justamente por isso é importante falarmos e destacarmos empreendimentos femininos, pois eles ajudam a transformar o mundo dos negócios e principalmente das mulheres que os lideram.

Quando surgiu o empreendedorismo feminino?

O empreendedorismo feminino surgiu entre os anos de 1970 e 1980, mas no Brasil os primeiros estudos sobre o tema apareceram no final dos anos 1990.

Deste modo, podemos notar que mulheres no comando de empreendimentos é um assunto novo.

E por isso é tão fundamental que a gente fale sobre esse assunto e que haja incentivo para consumirmos de negócios liderados por mulheres, pois essa é uma forma de diminuir as desigualdades de gênero e ajudar mulheres empreendedoras a decolarem com sua ideia de empreendimento.

Qual é o dia do empreendedorismo feminino?

O dia do empreendedorismo feminino é 19 de novembro e ele é comemorado desde 2014.

Qual a importância do empreendedorismo feminino?

O empreendedorismo feminino é importante porque traz mais representatividade feminina, ajuda a desenvolver mulheres e leva a independência financeira. 

Abaixo, entramos em mais detalhes sobre cada um desses temas. Confira!

– Representatividade feminina

Quando as mulheres estão no mercado de trabalho, elas enfrentam diversos desafios, como abusos, salários menores e até perda de oportunidade por conta do gênero.

Mas ao empreender, as mulheres conseguem lidar com um mercado mais preparado para recebê-las, em que elas podem ser suas próprias chefes e entrar em um mundo que caminha rumo ao fim das desigualdades.

– Desenvolve mulheres

Segundo pesquisa do Mckinsey Global Institute, as mulheres empreendedoras passam mais anos se dedicando a estudar para aprimorar seus produtos e serviços.

Logo,  o empreendedorismo feminino desenvolve mais as mulheres, permitindo que ao mesmo tempo que elas ganhem financeiramente, elas também ganhem em conhecimento.

– Leva a independência financeira

Diversas mulheres se mantêm em relacionamentos abusivos porque não conseguem se sustentar sem seus parceiros.

Mas ao empreender, essa realidade pode mudar, pois a mulher começa a ganhar sua própria renda e passa a ter mais liberdade para tomar decisões, afinal, ela deixa de depender de terceiros para ter o seu sustento. 

Empreendedorismo feminino no Brasil

O Brasil é hoje a sétima economia em empreendedorismo no mundo, com 4 milhões de adultos brasileiros, entre 18 e 64 anos, comandando seus próprios negócios, segundo dados do SEBRAE.

Nesse cenário, são cerca de 9,3 milhões de mulheres à frente de um negócio e 45% delas são chefes de família, o que significa que elas são a única fonte de renda dentro de seus lares.

E quando comparadas aos homens, às empreendedoras têm escolaridade 16% superior, mas, infelizmente, os seus negócios faturam 22% menos.

Os dados mais recentes apontam que o rendimento mensal médio de empreendedoras é de R$ 1.831,00, enquanto o rendimento mensal médio de homens empreendedores é de R$ 2.344,00.

Desafios do empreendedorismo feminino

Os desafios do empreendedorismo feminino envolvem a dificuldade em conseguir financiamento, ganhos reduzidos, preconceito de gênero, jornada múltipla e assédios.

Na sequência falamos mais sobre cada um desses desafios. Acompanhe.

– Dificuldade em conseguir financiamento

Todos os empreendedores passam por análise da instituição financeira quando procuram por empréstimos.

Porém, por conta do machismo estrutural, as instituições costumam ser mais rigorosas quando é preciso liberar crédito ou financiamento para mulheres, principalmente para as que são solteiras e têm filhos.

Isso porque acredita-se que essas mulheres não conseguirão cuidar do negócio enquanto precisam cuidar da família, aumentando o risco de dívidas.

Deste modo, a contratação de financiamento é mais difícil para mulheres empreendedoras.

– Ganhos reduzidos

Como você viu acima, o rendimento mensal médio de empreendedoras é de R$ 1.831,00, enquanto o rendimento mensal médio de homens empreendedores é de R$ 2.344,00.

Isso significa que mulheres empreendedoras recebem menos que os homens, mesmo muitas vezes trabalhando no mesmo nicho de mercado.

– Preconceito de gênero

Praticamente todos os desafios que empreendedoras enfrentam estão relacionados com o preconceito de gênero.

Infelizmente esse preconceito também está presente no universo do empreendedorismo, fazendo com que mulheres ganhem menos, sejam rejeitadas por bancos e passem por casos de assédio.

Diante desse cenário, elas precisam ter o dobro de resistência para se manterem firmes e ativas no mercado.

– Jornada múltipla

Mulheres que estão inseridas no mercado de trabalho muitas vezes têm jornadas duplas ou triplas. E no universo do empreendedorismo feminino não é diferente.

Quando são mães, as mulheres gastam cerca de 10 horas ou mais cuidando de seus filhos. Quando são mães e empreendedoras, há o que chamamos de jornada dupla.

Existem ainda casos em que sozinhas as mulheres cuidam do seu lar e filhos, portanto, as jornadas dessas mulheres não acabam quando o horário comercial se encerra.

– Assédio

De acordo com um mapeamento da Laudes Foundation, 76% das mulheres que trabalham já sofreram algum tipo de assédio moral ou sexual.

E deste número, 36% delas ja foram expostas a casos de preconceito, constrangimento, discriminação, abuso ou assédio, tudo pelo simples fato de serem mulheres. 

Exemplos de empreendedorismo feminino

Alguns exemplos de empreendedorismo feminino são: Luiza Trajano, Adriana Barbosa e Cristiane Junqueira.

Abaixo, conheça um pouco mais sobre a história dessas empreendedoras.

– Luiza Trajano, Magazine Luiza

Luiza Helena Trajano já foi considerada uma das mulheres mais poderosas do Brasil, segundo a revista Forbes.

Luiza é a fundadora do Magazine Luiza, que hoje conta com um dos maiores Marketplaces que temos, a Magalu.

Sua trajetória começou no interior de São Paulo, onde sua família tinha uma pequena loja de presentes e ela começou a trabalhar como balconista desde cedo.

Em 1991, Luiza se formou em Direito e Administração de Empresas, assumiu a empresa e trabalhou para transformá-la no que conhecemos hoje.

– Adriana Barbosa, Feira Preta

Adriana Barbosa é a fundadora do festival de cultura negra Feira Preta. 

Seu negócio começou em 2002 com 3 mil reais de patrocínio e em 2019 ela conseguiu movimentar R$ 1,5 milhão.

Hoje a sua feira é considerada a maior de afroempreendedorismo da América Latina. 

– Cristiane Junqueira, Nubank

Cristina Junqueira é co-fundadora do Nubank, que hoje conta com mais de 10 milhões de clientes. 

O seu negócio é responsável por revolucionar os serviços de banco e financeiros, tanto pelo viés tecnológico, como por oferecer cartão de crédito sem banco.

A grande sacada do Nubank foi justamente oferecer os seus serviços totalmente online e, com 4 anos de existência, ele se tornou hoje uma das fintechs mais conhecidas do país.

Como me tornar uma mulher empreendedora?

Para se tornar uma empreendedora você deve confiar em si mesma, ter uma ideia de negócio, buscar por conhecimento e saber organizar o seu tempo.

Na sequência entramos em mais detalhes sobre cada um desses pontos para entrar no mundo do empreendedorismo feminino. Confira!

– Confie em si mesma

Antes de tudo é fundamental que você acredite e confie no seu potencial para criar um negócio.

Empreender não é um dom, mas sim algo que você desenvolve e ganha habilidade com o tempo, por meio de experiências e aprendizados.

Então, confie no seu processo e na sua capacidade de conseguir seguir com seu negócio, sem medo de falhas, afinal, isso é inevitável e faz parte do crescimento.

– Tenha uma ideia de negócio

Ter uma ideia de negócio é um dos primeiros passos para começar a empreender, pois é nessa ideia que você vai investir e se dedicar todos os dias.

Para encontrar a sua ideia de negócio, é válido observar algo que você gosta de fazer e que tem facilidade em dominar.

– Busque sempre por conhecimento

O empreendedorismo feminino exige que você esteja em constante evolução, pois o mercado muda rápido.

Então, sempre estude e procure mais sobre a sua área de atuação, para expandir seus horizontes e possibilidades.

Lembrando que hoje temos muito conhecimento fácil e gratuito com a ajuda da internet, então, procure por cursos, vídeo aulas, lives, ebooks e afins.

– Organize seu tempo

Como falamos anteriormente, muitas empreendedoras precisam lidar com uma jornada dupla ou tripla, ou seja, cuidar da família, do lar e dos negócios.

Justamente por isso focamos na importância de você organizar bem o seu tempo, dividindo as tarefas domésticas entre os familiares.

Outra dica é definir um horário para o seu trabalho, assim você não mistura vida pessoal e vida profissional.

No vídeo abaixo, entenda se empreender é para você!

Empreendedorismo feminino: ideias para se inspirar

Algumas ideias de empreendedorismo feminino para te inspirar são:

  • lanchonete ou restaurante;
  • revenda de produtos;
  • salão de beleza;
  • corte e costura;
  • loja de roupas;
  • loja de cosméticos;
  • pet shop;
  • venda de joias ou semijoias.

Cursos de empreendedorismo feminino: #ELAFAZHISTÓRIA

Como você viu ao longo deste artigo, é muito importante que ao entrar no mundo do empreendedorismo feminino, você busque por conhecimento, para se desenvolver ainda mais e sempre estar um passo à frente.

Nesse sentido, o projeto #ELAFAZHISTÓRIA pode ajudar você!

Nós disponibilizamos cursos específicos para mulheres empreendedoras ampliarem seus negócios em três eixos:

Todas essas especializações são gratuitas, online e geram um certificado ao serem encerradas!

Se você é mulher e quer ser ou é empreendedora, se desenvolva já com nossos cursos online e gratuitos focados em pequenos negócios femininos.

Conclusão

Como você viu ao longo deste artigo, o empreendedorismo feminino é quando mulheres são protagonistas de um negócio ou projeto, sendo idealizadoras e tomando frente deles.

E embora esse movimento seja benéfico para a sociedade e para a economia, as mulheres que fazem parte enfrentam diversos desafios, todos eles por conta do machismo estrutural, como ganhos reduzidos, assédio e dificuldades com instituições financeiras. 

Mas o programa #ElaFazHistória está aqui para ajudar a mudar esse cenário e auxiliar cada vez mais mulheres a entrarem no empreendedorismo feminino e se manterem firmes e ativas com seus projetos!