Aliança Empreendedora carregando
Costura


QUEM SOMOS


Nossa história

A Aliança Empreendedora foi fundada em Curitiba ­ Paraná em 2005 por Rodrigo de Méllo Brito e Silva, Lina Maria Useche Jaramillo Kempf, Helena Casanovas Vieira, Eduardo Gomes Camargo, Norma Hitomi Ikeda, Maria Fernanda Cândido e Luís Alberto Ribeiro Paschenda, com o objetivo de oferecer a microempreendedores de baixa renda e grupos produtivos comunitários de todos os setores e idades, o apoio que eles necessitavam para desenvolver os seus negócios. Nesse primeiro ano, iniciamos a parceria com a Fundação Alphaville na região metropolitana, e então começamos a atuar na área da Reciclagem Inclusiva, apoiando organizações de catadores de material reciclável.

Em 2006 começamos a expansão do nosso trabalho para outras comunidades em Curitiba ao fechar uma parceria com o Instituto Walmart. Em paralelo a isso, nossa estratégia de trabalho junto ao microempreendedor se solidificou como uma plataforma de acessos para a inclusão e desenvolvimento empreendedor. A plataforma se dividia em três grandes acessos: Conhecimento, Crédito e Comercialização. Para poder oferecer o acesso a crédito aos microempreendedores, começamos um fundo de microcrédito e a Solidarium - plataforma de acesso à comercialização - com o objetivo de conectar microempreendedores com grandes redes varejistas.

Em 2007 começamos a operar em Recife-PE, construímos o primeiro ponto de vendas de produtos de microempreendedores de baixa renda em uma loja do Walmart em Curitiba, a Solidarium, antes uma plataforma dentro da Aliança se formalizou como um negócio social, Rodrigo de Méllo Brito e Silva - um dos fundadores - foi selecionado como “Fellow” recebemos nosso primeiro Prêmio Nacional: , Visionaris - promovido e patrocinado pela UBS.

Em 2008 expandimos a operação para São Paulo, criamos a área de Desenvolvimento deMetodologias para pesquisar, desenvolver, organizar e replicar as metodologias que havíamos criado para o apoio ao microempreendedor de baixa renda. Na área da Reciclagem Inclusiva,fomos convidados pela AVINA, Movimento Nacional dos Catadores de Material Reciclável e pela Prefeitura de Curitiba para implementar o projeto Eco Cidadão, com o objetivo de apoiar25 organizações de catadores de material reciclável durante 5 anos. Começamos também esse ano a nos envolver mais ativamente no cenário do incentivo ao empreendedorismo no Brasil, ao mobilizar no Paraná, a Semana Global do Empreendedorismo em Parceria com a Endeavor. Recebemos o prêmio “Top Social ADVB SP” e Rodrigo Brito foi finalista do Prêmio Folha Empreendedor Social, promovido pelo Jornal Folha de São Paulo e Fundação Schwab.

O ano de 2009 foi um dos mais importantes para nós. Recebemos a consultoria da Mc Kinsey e Ashoka, e reestruturamos nossa estratégia de expansão, para que ela se desse através do repasse metodológico para organizações aliadas em todo o Brasil. Motivados por essa estratégia, iniciamos uma parceria com o Santander no projeto "Parceiras em Ação", e selecionamos entre 232 inscritas, 5 ONGs de diferentes lugares do Brasil para receber nossa metodologia, investimento, acompanhamento e suporte durante dois anos. Ainda nesse ano, fomos uma das cinco organizações brasileiras convidadas a participar no Fórum Global Cornell na categoria Empresa Sustentável, realizado em Nova York pelo professor Stuart Hart.

O ano de 2010 foi o ano de colher frutos do nosso trabalho. Continuamos a expansão através das organizações aliadas, criamos o Portal Impulso – extensão da plataforma de acesso a crédito - permitindo que qualquer pessoa conhecer e investir em microempreendedores através da internet e começamos um projeto de negócio inclusivo desenvolvido em parceria com a empresa de cosméticos Natura, a fim de facilitar o acesso ao conhecimento e de crédito para micro cabeleireiras que também era vendedoras Natura. Como reconhecimento do nosso trabalho, fomos eleitos a ONG mais confiável no Brasil na categoria Geração de Renda pela revista Readers Digest, fomos convidados a participar como membro do Global Clinton Initiavie em Nova York, Lina Maria Useche Jaramillo Kempf - uma das fundadoras – foi eleita Fellow da Youth Action Net e Rodrigo de Méllo Brito e Silva foi eleito como um dos três brasileiros selecionados para participar da rede Young Global Leaders do Fórum Econômico Mundial.

Em 2011 reorganizamos nossa estrutura interna em áreas, e focamos no conhecimento e metodologias como o foco do nosso trabalho, firmando então parcerias em crédito e comercialização para oferecer esses acessos aos microempreendedores. Na divulgação da cultura empreendedora e inclusão empreendedora, fomos uma das 10 organizações convidadas para compor o Conselho Nacional da Semana Global do Empreendedorismo no Brasil, promovemos a primeira edição do "Prêmio Aliança de Empreendedorismo Comunitário", e fomos convidados pelo programa de TV "Caldeirão do Huck", na TV Globo para co-desenvolver o quadro " Mandando Bem " uma série de episódios dentro do programa de TV que identifica, apoia e reforma o local de trabalho de microempreendedores de baixa renda que tem uma história inspiradora. Com cerca de 50 milhões de telespectadores, a série inspira e educa milhões de brasileiros no processo de se tornar um empreendedor.

Em 2012 consolidamos nosso modelo de trabalho interno: focamos muito no desenvolvimento interno da organização, na retenção de talentos e no plano de cargos e salários. Também nesse ano, resolvemos adaptar nossa metodologia de trabalho dentro da teoria Effectuation. Desenvolvida a partir de pesquisas da Dra Saras Sarasvathy, a teoria vê o empreendedorismo não como um dom ou conjunto de características, mas como um “conjunto de habilidades” que são desenvolvidas pela prática e experiência. Ao invés de focar no desenvolvimento de um plano de negócios baseado em previsões para o futuro, a metodologia da Aliança se utiliza da abordagem da teoria Effectuation para estimular os microempreendedores a criarem e ampliarem seus negócios a partir do que eles têm, desenvolvendo três pilares fundamentais: 1 – Quem eles são (identidade, sonhos e autoimagem); 2 – O que eles sabem (conhecimentos e experiências); e 3 – Quem eles conhecem (rede de contatos). Isso também gerou uma mudança na forma de avaliação do impacto gerado, pois percebemos que avaliar só o crescimento do negócio era insuficiente para entender o impacto real que a metodologia provocava na vida dos microempreendedores apoiados. Começamos então a trabalhar numa métrica mais completa, o Índice de Inclusão Empreendedora (IIE), baseado no trabalho com a teoria Effectuation. Nesse ano, também consolidamos nosso trabalho na disseminação da causa: Lançamos o 2º Prêmio Aliança de Empreendedorismo Comunitário e transformamos o Portal Impulso no 1º site de crowdfunding voltado a microempreendedores no Brasil.

Em 2013 recebemos o Prêmio do Centennial Inovation Challenge, da Fundação Rockfeller e começamos a desenhar um projeto para melhorar a cadeia de moda na cidade de São Paulo através do fortalecimento e formalização de donos de Oficinas de Costura, fechamos a parceria com a Youth Business International , organização sediada na Inglaterra e presidida pelo Príncipe de Gales para apoio a jovens empreendedores no mundo para iniciar o Programa Geração Empreendedora para o apoio de jovens brasileiros de 18 a 35 anos. Com um dos frutos dessa parceria, incluímos a mentoria como um processo de apoio ao microempreendedor dentro da nossa metodologia.

Em 2014, além da continuidade do Geração Empreendedora e do projeto com a Fundação Rockfeller, lançamos o Tamo Junto – primeiro site voltado a microempreendedores de baixa renda no Brasil, apresentamos nossa estratégia de expansão na Inglaterra – em evento promovido pela Ashoka, além de apresentar o Índice de Inclusão Empreendedora em eventos na Turquia e nos Estados Unidos. Fortificamos a prestação de serviços para empresas na consultoria e execução de negócios inclusivos, e também na execução de prêmios personalizados, como o Desafio Empreendedor Anhanguera, desenhado especialmente para os alunos da Anhanguera Educacional. Esse ano também é o ano da transformação da marca da Aliança, lançamos a nova marca em novembro com o novo slogan: Todos podem empreender. Com isso, queremos fortificar nossa atuação no empoderamento de microempreendedores brasileiros, disseminando a mensagem de que todos podem empreender, e que empreender é um conjunto de habilidades que podem ser aprendidas.

Clientes e parceiros

Conheça quem é ou já foi cliente ou investidor dos projetos e programas da Aliança Empreendedora: